Clique para ser um doador

Obrigado por apoiar as crianças que mais precisam e nos ajudar a mudar seu futuro.

Clique para ser um doador

Obrigado por apoiar as crianças que mais precisam e nos ajudar a mudar seu futuro.

Livro Vozes

Elaborado e publicado pelo Instituto Terre des hommes Brasil desde 2009 com a colaboração de parceiros, a nova edição do livro “Vozes” buscou escutar adolescentes que estão cumprindo medidas socioeducativas em meio aberto e fechado e em vulnerabilidade social sobre a realidade no qual estão inseridos, referente à garantia de seus direitos fundamentais, onde eles puderam expressar suas impressões acerca do sistema socioeducativo, a prevenção ao ato infracional e a sua responsabilização. A publicação oportunizou um espaço de escuta e participação de adolescentes proporcionando, por sua vez, que os atores do sistema de garantia de direitos tenham, sob a perspectiva dos próprios adolescentes, subsídios para a intervenção da prática profissional e fortalecimento de políticas públicas.

“Neste Vozes, Terre des hommes retoma o diálogo sobre o atendimento socioeducativo no Brasil, compreendendo que, para garantir sua efetividade, é preciso não só acompanhar as mudanças da sociedade e da juventude, mas também manter a constante vigilância sobre os impactos da prática institucional quanto à execução das medidas socioeducativas. O aprofundamento dos debates envolvendo a redução da maioridade penal, os altos índices de reincidência entre aqueles que passam pelo sistema socioeducativo e o visceral estigma dos adolescentes em conflito com a lei, nos levam a refletir sobre o muito que ainda precisamos avançar”, disseram Antoine Lissorges, responsável pelos programas de Terre des hommes para a América Latina e Caribe, e Anselmo de Lima, presidente do Instituto Terre des hommes Brasil, na apresentação do novo “Vozes”.

O adolescente Jefferson, que participou da escuta para a composição da publicação, pôde descobrir que tinha voz diante da sociedade, ao expressar seus sentimentos, onde teve a oportunidade de externar suas impressões e tornar conhecido o que muitas pessoas antes não sabiam sobre a realidade a qual ele e outros adolescentes estão inseridos. “Eu me senti privilegiado em fazer parte deste livro. Foi um privilégio para mim saber que pessoas vão tomar conhecimento do que eu tinha a falar, porque entre tantos adolescentes, eu fui um dos escolhidos", disse Jefferson. Ele afirma que gostaria que o livro fosse lido pelos juízes, promotores e pelas pessoas que podem fazer algo em favor deles.

Para Cintia Alexandre Ribeiro, uma das jovens que tem uma fala publicada no “Vozes”, os adolescentes e jovens são o futuro do país, e por isso merecem mais atenção do poder público, para que sejam desenvolvidos projetos que atendam as suas necessidades e sejam garantidos os seus direitos. Sobre o público-leitor do livro, ela considera os juízes como sendo as principais autoridades a lerem e tomarem conhecimento sobre o que sentem os adolescentes e jovens a respeito do sistema socioeducativo, a prevenção ao ato infracional e a sua responsabilização, a fim de darem maior atenção a eles e ajudá-los a mudar a realidade social a qual eles estão a viver.

 

Sobre o "Vozes"

 

Em 2008, foi lançada a primeira edição intitulada “Vozes: crianças e adolescentes no monitoramento da Convenção Internacional pelos Direitos das Crianças”, em colaboração com a Associação Nacional dos Centros de Defesa da Criança e do Adolescente (Anced). No ano de 2009, foi feita a reedição do “Vozes” com a escuta sobre o que é um lugar seguro para crianças e adolescentes. Com a execução do projeto em Justiça Juvenil Restaurativa e Prevenção à Violência em cinco estados do Norte e Nordeste do Brasil (CE-PA-MA-PI e RN) desde 2010, em 2012, em parceria estabelecida com a Associação Brasileira de Magistrados (ABM), promotores de Justiça e defensores públicos, foi publicado o “Vozes: que pensam os/as adolescentes sobre os atos infracionais e as medidas socioeducativas”, que incidiu junto a mais de 2.500 atores do sistema de justiça juvenil e foi reconhecido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) com a funcionalidade de preencher uma lacuna na literatura e no Direito brasileiro, por retratar o pensamento que os adolescentes em conflito com a lei têm sobre o sistema de execução das medidas socioeducativas. Em 2014, Tdh Brasil lançou a edição intitulada “Vozes: que pensam os /as adolescentes sobre os atos infracionais e as medidas socioeducativas – Vozes sobre violência juvenil, práticas restaurativas, responsabilização e paz”. A nova edição foi lançada no dia 13 de dezembro, na ocasião da Semana Nacional da Justiça Juvenil Restaurativa e I Encontro Regional Interdisciplinar sobre os Direitos da Infância e Juventude.

 

Todas as edições:

                                                                                                    
 
5ª edição
(2016)
         
4ª edição
(2014)
         
3ª edição
(2012)
         
2ª edição
(2009)
         
1ª edição
(2008)

 

Newsletter

Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão as novidades da Tdh Brasil.